Saturday, December 13, 2014

Página em construção : Fragmentos de uma professora

Pretende-se repor alguns Projectos desenvolvidos com sucesso nas áreas curriculares de Língua Portuguesa, Francês LE, Cidadania e a utilização das TIC ao longo dos anos lectivos 1999-2009, tendo como público alvo, os meus alunos de 2º e 3º ciclos.

Aspecto inovador e pioneiro: o uso das
TIC nas aulas de Línguas e Cidadania.

Será um trabalho paciente de pesquisa das minhas memórias virtuais. Em lapsos de tempos dispares, alguns pr
ojectos irão sendo publicados, sem obedecer, numa primeira fase, à sua ordem cronológica. E serão sempre poucos porque a grande maioria não ficou salvaguardada na web.

Alguma desta memória 
irtual fez parte do site da Escola Francisco Torrinha onde exerci funções docentes como Professora Titular e Professora Formadora durante muitos anos.

Por motivos que desconheço, foi apagada no final do ano lectivo de 2006-2007.


Talvez o sistema de Avaliação de Professores que entrou em vigor nesse ano, possa explicar! É que o "desenvolvimento de experiências de inovação pedagógica" consignado no diploma tinhs um forte peso na avaliação dos docentes!


Detentora de um dos melhores currículos (ensino básico e secundário), reconhecido a nível nacional e internacional, por diversas entidades, é com a mais profunda humildade que o escrevo, esse facto criou um certo mal estar nos 'interesses' dos pares pedagógicos. 

À escola Francisco Torrinha não 'convinha' reconhecer o mérito de uma professora que avançou com uma série de actividades e projectos inovadores ligados à introdução das TIC nos currículos escolares, como competência transdisciplinar dos alunos, em tempos que mais nenhum professor/professora quis acompanhar, até à saída do diploma que valorizava precisamente os Professores Inovadores.





Fui então a única Professora da escola (de 1999 até 2009) a desbravar caminhos pedagógicos  digitais com uma série de actividades e experiências inovadoras: 

Autora de um projecto e-learning para ensino básico e secundário Kidzlearn Lugares & Aprendizagens, projecto finalista dos Global Junior Challenge (2004), uso de blogues no ensino (2005), e acesso a um espaço Moodle cedido pela Associação Portuguesa de Telemática Educativa (2006) ! Estas as razões pelas quais estive sujeita, de 2006 a 2009, a grandes pressões por parte de um corpo docente fortemente conservador e inibidor.

Essas pressões continuaram sob as mais variadas formas! Os procedimentos  por parte da Direcção e de pares pedagógicos, sobretudo ligados ao ensino de Língua Portuguesa e Francês LE, foram indignos de um ambiente onde devem imperar os pedagógicos exemplos! 


Mas, não foram, de modo nenhum inibidores de boas práticas. E os alunos aderiram em pleno, com imenso entusiasmo a currículos que, pela primeira vez, vinham ao encontro da sua realidade.


O mesmo diploma afirmava que cada Professor tinha o direito de: Intervir na orientação pedagógica no âmbito dos PE e dos PCE, através da liberdade de escolha de métodos de ensino tecnologia e técnicas de educação e meios auxiliares de ensino.




education

Fragmentos Virtuais de uma Professora é pois um pequeno repositório de algumas dessas técnicas de educação, experiências pioneiras e que foram levadas a cabo com entusiasmo desde 1999 até 2010.

Depois dessa data, continuei dar apoio pedagógico aos meus alunos em ambientes digitais.

Tantas horas não lectivas foram dedicadas a uma comunidade escolar, para benefício dos alunos, com a introdução  de novas metodologias e ferramentas educativas. Noites curtas, mal dormidas a preparar as actividades digitais, para pela manhã estar presente, sempre, na escola, a leccionar as aulas curriculares, a partir das 8:30 e a  fazer a formação de jovens professores.


Estou muito satisfeita! Todas as actividades inovadoras que desenvolvi desde muito cedo, e que continuo a desenvolver, permitiram essencialmente que muitos alunos, ao longo de várias gerações, tivessem um ensino e aprendizagens  de qualidade, muito perto da sua realidade, nas aulas de Língua Portuguesa, Língua Francesa LE, numa forte componente de Cidadania, apoiadas nas TIC.



credits: Le Monde/Campus

E, no complemento das aulas, em espaço virtual, lidando assim, pela primeira vez, a nível do ensino básico e secundário, com uma série de recursos e ferramentas educativas digitais que complementaram o processo de ensino e aprendizagem, tais como e-learning, moodleblogues, comunidades colaborativas. intercâmbios escolares europeus, ambientes educativos virtuais que foram ao encontro das novas exigências dos digital kids, novas gerações que apareceram nas escolas a partir de 1999, levando-as ao sucesso escolar, num tempo em que a escola tradicional não estava preparada para os receber e não queria praticar o ensino diferenciado.

Os formandos partilharam de todos estes meus sonhos que lhes abriram novos panoramas pedagógicos. Ainda hoje mantenho contacto com muitos deles.

Foi preciso dar o salto de qualidade e inovação da escola tradicional para a escola pluridimensional. E eu estive na linha da frente, como certamente alguns professores de outras escolas. Não muitos!

Também me sinto realizada com a forte componente pedagógica pessoal e de inovação que transmiti aos meus formandos, bem como a jovens professores que, entretanto foram passando pela escola, e que me solicitavam apoio e informação numa área para a qual estavam receptivos, mas não tinham apoio didáctico por parte dos seus delegados.

Como Formadora de Formadores pretendo, assim, em ambiente virtual que é este espaço Fragmentos Virtuais de uma Professora, incentivar novos Professores a experienciar diferentes caminhos, servindo de exemplo. 

Pedagogicamente, muito é possível nesta área tão vasta que é o ensino onlinequando se pretende que os nossos alunos fruam de recursos criativos num ambiente de aprendizagem de verdadeira partilha de saberes!

Espero poder inspirar alguns jovens professores com este blogue! Será para mim, uma grande alegria!





This blog Digital Fragments of an Educator contains different and various pedagogical activities developed integrating ICT in school curricula: Portuguese (as a native language), French (as a foreign language) and Civics Education. 


My students were aged 10-16 years (elementary and secondary education). They just loved to be the first Portuguese students to learn ICT in Languages and Civics curriculum. They were the first digital natives to come to school (1999) in Portugal.

They were excited and they worked on fantastic and creative projects. The activities have been developed from 1999 to 2009.

They learned in school, face-to-face teaching, but also online (after school time) at my e-elearning project Kidzlearn Lugares & Aprendizagens, finalist at Global Junior Challenge (2004), Rome, Italy, Moodle Lugares & Aprendizagens, BlogdosCaloiros, BlogSkidz & international educational networks.



This blog Digital Fragments of an Educator is a digital repository of some of those activities that I will try to remember as the "memoirs of a digital teacher".

The activities are not published by subject or date. For the moment, posts are published in view of my free time (and it is not so much), my memoirs,   documents founded in my personal notes or my files as a teacher. But the order, it's not important!

The important is that this blog and all the projects and activities here included might help some educators and young teachers. Sharing with you some different ideas to motivate your students in a face-to-face teaching and learning or in non formal learning is my ideal using ICT and digital resources in school

Teachind and learning is no more listening quietly the teacher. Teaching and learning is students 'doing' with the tutoring of the teacher.

Digital resources (OER) and games in school are an important and serious goal in the XXI century focus on the changing face of Education. Here you will find open educational resources to improve your lessions, if you wish.

I hope I can help and inspire some of you!

A Autora| The Author

Teacher|  Teacher Assessor

G-Souto
Copyright © 2007G-Souto'sBlog, gsouto-digitalteacher.blogspot.com®

Creative Commons License

Última actualização em 05.02.2017
Last update: February 05, 2017


Friday, December 12, 2014

Primavera da Europa 2006



00025hey

Aula de Esfera - Azulejo português
Hospital S. José Lisboa
         http://astrocultura.uai.it/

Enquanto quis Fortuna que tivesse
Esperança de algum contentamento,
O gosto de um suave pensamento
Me fez que seus efeitos escrevesse.
(...)


Luis Vaz de CamoesEnquanto quis Fortuna que tivesse


 
Primavera da Europa - Spring Day : Celebrate Europe in your school - foi dos primeiros eventos escolares, a nível europeu que chegou às escolas portuguesas,

Tinha como objectivo incentivar os jovens das escolas europeias a conhecer o pensamento europeu sobre democracia e cidadania.



Spring Day começou em 2002. Os meus alunos começaram a participar em 2003, embora só tenhamos registos a partir de 2005, dado que o website Spring Day foi desactivado (2002-2008). Restam sítios expositivos de Spring Day 2009 e 2010.

Também o site da escola foi desactivado, dado o actual enquadramento de Agrupamentos de Escolas.

Temos, no entanto, o registo da nossa participação em 2008, no nosso BlogdosCaloiros, apoio e enriquecimento curricular de Língua Portuguesa, uma das primeiras experiências de uso de blogues em contexto educativo.



Spring Day for Europe 2008

http://www.springday2009.net/


À medida que os anos passavam, um maior número de escolas europeias participou e a celebração de "Primavera da Europa" começou a agendar nos seus projectos de escola, esta activdade que entusiasmava os alunos, dado que os punha em contacto, mesmo que indirecto, com jovens de muitos países europeus.

Jovens de toda a Europa aprendiam e faziam ouvir as suas vozes a propósito de várias questões europeias.



O tema de Primavera da Europa 2006, “Debatendo o nosso Futuro”, abordava uma vasta agenda de relevantes questões para a geração mais jovem, que estão também englobadas no cerne do Plano D.

(texto com supressões)
 
Aprender e Debater a Europa, tema central, apresentava um conjunto de quatro actividades sub-temáticas:
  • A minha proposta para a Europa 
  • Onde está a Europa?
  •  Heróis Locais
  •  Weblog da Primavera da Europa para jovens europeus.

Os alunos participaram nas seguintes actividades:
  • Heróis Locais - 5C
  • Onde está a Europa? - 5C|5I 
Foi uma experiência muito participada e activa. Os alunos empenharam-se com muito entusiasmo na descoberta dos jovens dos 25 países que faziam parte da União Europeia (UE).

Dos vários trabalhos enviados para o site de Spring Day, este foi o seleccionado. Pertence à aluna Francisca.

Mas, claro! Estão todos de parabéns pelo empenhamento e partilha  de saberes!

Depois do Dia Europeu das Línguas (Setembro 2005), seu primeiro projecto a nível europeu, ei-los de novo em acção.

Foi sempre muito gratificante o desafio tantas vezes apresentado aos alunos de partilhar saberes e experiências, desenvolvendo novas competências digitais.

.
A Professora GSouto

12.12.2014

Creative Commons License

Tuesday, December 2, 2014

Dia B - Dia das Borboletas : um projecto transcurricular





Pieris napi | Borboleta do nabo

Borboletas de Portugal

credits : Tagis




 Pieris rapae | Macho, face inferior das asas

Borboletas de Portugal

credits : Albano Soares
https://scontent-a-lhr.xx.fbcdn.net/


No ano lectivo 2005-2006, os alunos do curriculo de Língua Portuguesa desenvolveram um projecto curricular em parceria com Tagis - Conservação das Borboletas de Portugal para o estudo do Texto Poético.

"Passa uma borboleta por diante de mim
E pela primeira vez no Universo eu reparo
Que as borboletas não têm cor nem movimento
Assim como as flores não têm perfume nem cor.
A cor é que tem cor nas asas da borboleta
No movimento da borboleta o movimento é que se move,
O perfume é que tem no perfume da flor.
A borboleta é apenas borboleta
E a flor é apenas flor."

Alberto Caeiro, O Guardador de Rebanhos

Em meados de 2006, descobrimos o projecto Tagis via Internet, pouco depois de ser criado. O Tagis - Borboletário. Propunha uma actividade de Observação das Borboletas nas Escolas de Portugal, 2006.



Pieris brassicae | Macho e fêmea

Borboletas de Portugal


credits : Albano Soares

Por considerar esta actividade muito sugestiva para incluir no estudo do Texto Poético, integramos assim o Dia B - Dia das Borboletas que denominámos Contando borboletas nos jardins de Serralves.



Jardins de Serralves
credits : Serralves

O projecto enquadrava lindamente o conteúdo programático Texto Poéticodado que são muitos os poetas que referem as borboletas em seus poemas. 

Claramente um projecto que despoletou a criatividade dos alunos em actividades de leitura de poemas, escrita criativa, bem como saída da sala de aula em Visita de Estudo aos jardins do Parque de Serralves, para uma lição viva ao ar livre.

Leiamos o Relatório inter-turmas da Visita de Estudo | Aula viva, elaborado por um grupo de alunas:

No dia 20 de Junho 2006, os alunos das turmas 5C|5I realizaram uma Visita de Estudos aos Jardins de Serralves.

O objectivo desta visita foi a observação de borboletas,  e  a sua identificação com a ajuda do Guia de Campo que Tagis - Centro de Conservação das Borboletas de Portugal - nos enviou, a pedido da Professora de Língua Portuguesa que na sua curiosidade profissional de sempre, encontrou ao surfar na Internet

O guia era muito completo e bem ilustrativo das possíveis espécies de borboletas existentes em Portugal.





Parque de Serralves

Já nos jardins, dividimo-nos em vários grupos, e acompanhados pelos Professores, lançámo-nos à aventura!

Sempre que víamos uma borboleta - algumas fugiam de tal modo era a nossa excitação! - identificávamos a espécie, com o apoio do Guia individual distribuído previamente pela Professora, na aula de preparação para a visita. 

De vinte em vinte minutos, reuniam-se os grupos, e a Professora Língua Portuguesa anotava na 'Folha-Relatório', as espécies e número de borboletas observadas.

Havia muitas espécies e de imensas cores: brancas, amarelas, azuis, verdes e multicores! O Parque de Serralves é muito rico em biodiversidade.

Conseguimos observar a 'bela dama', a 'manchadinha', a 'limão' e até espécies mais raras como a 'carnaval', 'pavão-diurno', 'zebra'! Tantas e tão coloridas!




Borboleta azul | Parque de Serralves

credits: Serralves


Estava uma manhã quente! Fizemos um intervalo, sentados à sombra de umas árvores acolhedoras e refrescantes do parque, e degustámos o nosso lanche!

Depois, continuámos a observação e vimos mais algumas espécies... até que chegou a hora de voltar à escola.

Foi uma visita de estudo maravilhosa! E bem ao ar livre!

Interessante e divertido este Dia B - Dia das Borboletas - incluído no Projecto Observação das Borboletas nas Escolas de Portugal!

Esperámos ter contribuído para o estudo das borboletas do nosso país. Lamentamos que tantas estejam em vias de extinção! 

Gostaríamos imenso ter acesso à exposição itinerante ! Não sabemos se passará pelo Porto.




Borboleta cauda-andorinha | Parque de Serralves

credits: Serralves

Como adoramos borboletas, adorámos a visita! E aprendemos tanto fora das paredes da sala de aula.

Ah! Antes desta actividade, elaborámos um Borboletário! Borboletas feitas em cartolina e papel de lustro em  tons  vivos onde transcrevemos poemas de autores portugueses e brasileiros.

No mistério do sem-fim
Equilibra-se um planeta
E, no jardim, um canteiro
No canteiro, uma violeta
E, sobre ela, o dia inteiro
A asa de uma borboleta.


Cecília Meireles

Os Borboletários colocados nos placares das nossas salas de aula fizeram muito sucesso! Alunos e professores de outras turmas vinham visitar os nossos Borboletários. Como nos sentíamos orgulhosos.

Ah ! Mas antes de afixarmos os nossos poemas sob a temática da borboleta, no
Borboletário do jornal de parede das nossas turmas, cada aluno leu em voz alta o seu poema e a Professora avaliava a nossa expressividade, entoação e dicção.

Nas aulas de Ciência Naturais, estudámos as borboletas e suas espécies.

Também nas aulas de EVT, os alunos  desenhámos e criámos borboletas em papel de seda pintado que suspendemos nas salas de aula. Depois, ao fazer a visita de estudo, cada um de nós levava a sua borboleta na mão. Foi um passeio lindo, muito esvoaçante a caminho do Parque de Serralves.

Também nos jardins do Parque, deixávamos que as nossas borboletas de papel esvoaçassem enquanto percorríamos o espço em busca de borboletas. Os jardins ficaram mais animados! E bem colorridos. 

A Professora tirou fotos, mas não foram publicadas online por sermos menores de 16 anos.


Relatório:

Carolina Neves| Cláudia Carneiro| Inês Gil, 11 anos (5C)


Actividades:


  • Estudo do Texto Poético (Língua Portuguesa)
  • Pesquisa de poemas alusivos a borboletas
  • Selecção dos poemas para posterior transcrição em borboletas de cartolina
  • Escrita criativa livre : elaboração de curtos poemas alusivos às borboletas
  • Estudo da borboleta (Ciências Naturais)
  • Elaboração de borboletas em cartolinas de cor e papel de seda colorido
  • Exposição Borboletário : placares salas de aula
  • Preparação Visita de Estudo - Parque de Serralves
  • Aula Viva nos jardins do Parque de Serralves

Todas estas actividades integraram um projecto transcurricular - Língua Portuguesa ; Ciências Naturais ; Educação Visual previamente delineado pelos professores que integraram o projecto, e negociado com os alunos de duas turmas.


Um projecto rico em aprendizagens, muita alegria partilhada, ao longo de várias aulas, aprendizagens bem veiculadas, e que culminaram com a Visita de Estudo, uma aula viva ao ar livre.

Experiências pedagógicas gratificantes para professores e alunos.

Projecto transdisciplinar e inter-turmas :


Língua Portuguesa - 5C/5I
Educação Visual e Tecnológica - 5C/5I
Área de Projecto – 5C
Formação Cívica - 5C
Estudo Acompanhado - 5I


Professora Dinamizadora: 

Gina Souto – Língua Portuguesa|Formação Cívica|Estudo Acompanhado 

Professores Participantes:

 
Graça Montenegro/Jorge Figueiredo - AP/EVT – 5C
Angelina/António Ferreira/Cátia Silva - EVT – 5I
Sílvia Ferreira - EA – 5I



Professores Acompanhantes:
 
Jorge Figueiredo – EVT
Cátia Silva – EVT
Sílvia Freitas - EA


Agradecimentos : 

Tagis - Centro de Conservação das Borboletas de Portugal

Fundação de Serralves – Serviço Educativo



G-Souto 

Junho  2006

(actualizado em 02.12.2014)
Copyright © 2014G-Souto'sBlog, gsouto-digitalteacher.blogspot.com® 

Creative Commons License


 Proibida a reprodução de textos de alunos.



Saturday, September 27, 2014

Literatura Portuguesa pelos ollhos dos alunos



Luisa Dacosta

Que bom! Não havia aulas, nem deveres, naquela tarde de sábado. Podia gastar o tempo a vontade... Boa altura para um pincho no sonho.

Luisa DacostaO Perfume do Sonho na Tarde, edições Asa, Maio 2004, 1ª edição
 
Esta a nossa última página do Projectos.com! Dedicada a Escritores Portugueses que fomos lendo durante estes dois anos  no currículo de Língua Portuguesa.

A leitura foi uma das nossas principais actividades. Lemos muitos livros, de tantos autores que seria impossível falar de todos. Fizemos uma curta selecção de alguns dos que mais nos agradaram pelas obras que lemos e pelo estudo que deles fizemos. 
Desenvolvemos vários projectos à volta da Hora da Leitura que nos agradou muito.
 
 Carolina Neves, 12 anos, 6C


Sophia Mello Breyner | Parque dos Poetas

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto em 6 de Novembro de 1919. Foi nessa cidade e na Praia da Granja que passou a sua infância e juventude. Morreu aos 84 anos, no dia 2 de Julho de 2004. De formação em Filologia Clássica, da Universidade de Lisboa, foi uma das importantes poetas portuguesas do século XX, distinguida com o Prémio Camões em 1999, tornando-se a primeira mulher portuguesa a receber este galardão literário. Recebeu também em 2001 o Prémio Max Jacob de Poesia e o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana em 2003. Foi  mãe de cinco filhos que a motivaram a escrever contos infantis.

 
Obras poéticas:
Poesia (1944), Dia do Mar (1947), Coral, (1950), No Tempo Dividido, (1954), Mar Novo (1958), Livro Sexto (1962) Geografia (1967), Dual (1972), Nome das Coisas (1977), Musa (1994).




 www.portoeditora.pt
Obras narrativas:
O Cavaleiro da Dinamarca, Contos Exemplares, Histórias da Terra e do Mar, A Floresta, A Menina do Mar, O Rapaz de Bronze, A Fada Oriana.


Em Setembro veio o equinócio. Vieram marés vivas, ventanias, nevoeiros, chuvas, temporais. As marés altas varriam a praia e subiam até à duna.

Certa noite, as ondas gritaram tanto, uivaram tanto, bateram e quebraram-se com tanta força na praia, que, no seu quarto caiado da casa branca, o rapazinho esteve até altas horas sem dormir. As portadas das janelas batiam. 

As madeiras do chão estalavam como madeiras de mastros. Parecia que as ondas iam cercar a casa e que o mar ia devorar o Mundo. E o rapazito pensava que, lá fora, naescuridão da noite, se travava uma imensa batalha em que o mar, o céu e o vento se combatiam. Mas por fim, cansado de escutar, adormeceu embaladopelo temporal.

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Menina do Mar, Figueirinhas Editora
 
Inês Gil, 12 anos, 6C
Cláudia Carneiro, 11 anos 6C 


António Gedeão | Parque dos Poetas

Antonio Gedeão

Afirmando-se como um dos mais brilhantes e talentosos criadores lusófonos do século XX, Rómulo de Carvalho/António Gedeão, respectivamente, o professor, pedagogo e historiador da ciência, e o seu alter-ego literário, atravessou todas as convulsões e acontecimentos marcantes do nosso século, que se reflectiram no formar-se de um espírito extremamente marcado pelo cepticismo e pela ironia, sempre presentes nos seus poemas.
Licenciado em Ciências Físico-Químicas pela Universidade do Porto em 1931, traduziu como ninguém, a ciência para os leigos, desvendando segredos científicos com a mesma simplicidade com que os exemplificava.
Lisboeta toda uma vida, uniu de forma exemplar, através da sua obra, a ciência e a poesia, a vida e o sonho. Apesar de só aos 50 anos ter decidido publicar o seu primeiro livro de poesia, inaugurando assim uma carreira que se afirmou por si própria na cultura portuguesa, tornou-se uma figura de referência incontornável no imaginário colectivo do povo português, principalmente para toda a geração da "Pedra Filosofal".

(texto com supressões)




Poema para Galileo

Eu queria agradecer-te, Galileo, 
a inteligência das coisas que me deste. 
Eu, 
e quantos milhões de homens como eu 
a quem tu esclareceste, 
ia jurar – que disparate, Galileo! 
– e jurava a pés juntos e apostava a cabeça 
sem a menor hesitação – 
que os corpos caem tanto mais depressa 
quanto mais pesados são. 

Poema para Galileo, excerto

Filipa Barros, 12 anos, 6I

Eugénio de Andrade | Parque dos Poetas

Eugenio Andrade

Eugénio de Andrade nasceu na Póvoa da Atalaia, no Fundão. Ao longo da sua vida viveu em Lisboa, em Coimbra, onde terminou o liceu, e no Porto onde viveu durante largos anos até ao dia em que morreu.
Eugénio de Andrade é considerado um dos maiores poetas portugueses contemporâneos, encontrando-se a sua obra traduzida em várias línguas.

(texto com supressões)



Obras de Eugénio de Andrade

As Mãos e os Frutos,1948);
Os Amantes sem Dinheiro,1950;
As Palavras Interditas,1951;
Até Amanhã,1956;
Coração do Dia, 1958;
Mar de Setembro, 1961;
Ostinato Rigore
, 1964;
Antologia Breve, 1972;
Véspera de Água, 1973;
Limiar dos Pássaros,1976;
Memória de Outro Rio, 1978;
Rosto Precário, 
1979;
Matéria Solar, 1980;
Branco no Branco, 1984;
Aquela Nuvem e Outras, 1986;
Vertentes do Olhar, 1987;
O Outro Nome da Terra, 1988;Poesia e Prosa, 1940-1989;
Rente ao Dizer, 
1992;
À Sombra da Memória, 1993;
Ofício de Paciência, 1994;
Trocar de Rosa / Poemas e Fragmentos de Safo, 1995;
O Sal da Língua,1995
 
Faz de conta
  
- Faz de conta que sou abelha.
- Eu serei a flor mais bela
- Faz de conta que sou cardo.
- Eu serei somente orvalho.
- Faz de conta que sou potro.
- Eu serei sombra em Agosto.
- Faz de conta que sou choupo.
- Eu serei pássaro louco,
   pássaro voando e voando
   sobre ti vezes sem conta.
- Faz de conta, faz de conta.

Cecília Meireles
Cecilia Meireles 
Cecília Meireles nasceu em 1901, no Rio de Janeiro e faleceu em 1964, também no Rio de Janeiro. Foi poeta, professora, jornalista e cronista.
No período de 1919 a 1927, colaborou nas revistas Árvore NovaTerra de Sol e Festa. Fundou a primeira biblioteca infantil do Brasil.
Lecionou na Univerdade do Distrito Federal em 1936 e na Universidade do Texas em 1940. Trabalhou no Departamento de Imprensa e Propaganda no governo de Getúlio Vargas, dirigindo a revista Travel in Brazil (1936).
É considerada por muitos como uma das maiores poetisas da Língua Portuguesa. Em 1993 foi atribuído o Prémio Camões a Cecília Meireles.


"Minha infância de menina sozinha deu-me duas coisas que parecem negativas, e foram sempre positivas para mim: silêncio e solidão. Essa foi sempre a área de minha vida. Área mágica, onde os caleidoscópios inventaram fabulosos mundos geométricos, onde os relógios revelaram o segredo do seu mecanismo, e as bonecas o jogo do seu olhar. Mais tarde, foi nessa área que os livros se abriram e deixaram sair suas realidades e seus sonhos, em combinação tão harmoniosa que até hoje não compreendo como se possa estabelecer uma separação entre esses dois tempos de vida, unidos como os fios de um pano."

Cecíclia Meireles



Algumas obras:

Criança, meu amor, 1923
Nunca mais..., 1923
Poema dos Poemas, 1923
Obra em Prosa - 6 Volumes - Rio de Janeiro, 1998

"Se não chegas nem pelo sonho, 
por que insisto em te imaginar?"


Cecília Meireles

 Renata Lemes da Silva Nº21 6ºI (aluna brasileira)
 Maria Teresa Gonzalez
"A Lua de Joana"
 
Eu li recentemente o livro A Lua de Joana e gostei muito! Por isso, decidi fazer um post sobre o livro ea autora.
 
A minha opinião:

Eu penso que este livro é muito interessante e ao mesmo tempo dá gosto de ler! É um livro com que podemos perceber e aprender muita coisa, sem que nos percamos nem perdamos a vontade de ler!
A Lua de Joana rapidamente se tornou favorito! Aconselho-te a leres A Lua de Joana, pelas razões acima e porque tenho a certeza de que vais gostar!



Sobre a Autora :

Este livro foi escrito por Maria Teresa Maia Gonzalez, uma escritora portuguesa nascida em Coimbra em 1958.
Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Franceses e Ingleses, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi professora de Língua Portuguesa de 1982 a 1997, no ensino oficial e particular.



Tem vários livros editados:

Recados da MãeO Guarda da Praia, O Incendiário Misterioso, Histórias com Jesus, A Cruz Vazia, para além da Lua de Joana e é autora da colecção Profissão: Adolescente, da qual, com apenas 13 títulos publicados, já se venderam cerca de 300.000 exemplares.
É ainda, com Maria do Rosário Pedreira, co-autora da Colecção O Clube das Chaves, de que se publicaram 21 volumes, a maioria dos quais com várias edições.
 
E para despertar ainda mais a vossa curiosidade, eis um excerto:

"Lisboa, 28 de Agosto

Demorei muito para me resolver, o que não era costume. Para dizer a verdade, não sabia que fazer. Precisava de desabafar, tentar compreender tudo o que aconteceu e, como foste sempre a minha única confidente... Não fazia sentido escrever um diário, pois dava-me a sensação de estar a escrever para mim própria, o que acho um bocado estranho. Talvez seja ainda mais estranho escrever-te, mas é uma forma de manter viva a tua memória, pelo menos, até conseguir perdoar-te...

Faz hoje um mês que tu... Não sou ainda capaz de dizer a palavra. Se calhar é porque não acredito que já não estás aqui comigo. É tão dificil de acreditar...!

Como sabes, hoje fiz anos. São duias da manhã e estou demasiado excitada para dormir. Vou contar-te o que recebi. A minha mãe acedeu, finalmente em redecorar o meu quarto - está tal e qual como eu queria! Todo branco (paredes, tapete, colcha, cortina) e até me mandou fazer o baloiço dos meus sonhos..."

Maria Teresa Gonzalez, A Lua de Joana, excerto

Cláudia Carneiro, 11 anos, 6C

Alice Vieira

Alice Vieira nasceu em 1943 em Lisboa. Em 1958 iniciou a sua colaboração no "Suplemento Juvenil" do Diário de Lisboa e a partir de 1969 dedicou-se ao jornalismo profissional.
Desde 1979 tem vindo a publicar regularmente livros tendo, actualmente editados na Caminho, cerca de três dezenas de títulos.



Recebeu em 1979, o "Prémio de Literatura Infantil Ano Internacional da Criança" com Rosa, Minha Irmã Rosa e, em 1983, com Este Rei que Eu Escolhi, o Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura Infantil e em 1994 o Grande Prémio Gulbenkian, pelo conjunto da sua obra.

Recentemente foi indicada pela Secção Portuguesa do IBBY (International Board on Books for Young People) como candidata portuguesa ao "Prémio Hans Christian Andersen". Trata-se do mais importante prémio internacional no campo da literatura para crianças e jovens, atribuído a um autor vivo pelo conjunto da sua obra.
Alice Vieira é hoje uma das mais importantes escritoras portuguesas para jovens, tendo ganho grande projecção nacional e internacional. Várias das suas obras foram editadas no estrangeiro.

Ana Sofia, 11 anos, 6ºI

Algumas considerações:

Como podem ler, a introdução das TIC nos currículos de Língua Portuguesa parece indiscutível a potencial contribuição das tecnologias de informação e comunicação (TIC) nas escolas públicas e nos currículos escolares.

Inovou-se (estávamos em 2005-2007) na linguagem e nas práticas de ensino, tornando os currículos, bem como os seus conteúdos programáticos - neste exemplo Língua e Literatura Portuguesa) - mais atraentes para nova geração e mais relevante para a sua formação.

G-Souto
actualizado em 27 Setembro 2014 Copyright © 2014G-Souto'sBlog, gsouto-digitalteacher.blogspot.com® 

Creative Commons License

*Nota: Este post fez parte de um projecto de introdução das ITC no currículo de Língua Portuguesa com alunos de 6º ano e que levou à produção e publicação de um blogue (2006-2007) denominado Projectos.com.

As actividades de produção de posts para esse blogue foram desenvolvidas em tempo lectivo. O blogue fez parte de um projecto de intercâmbio entre escolas europeias. 
Mais tarde, o blogue foi descontinuado. Recuperados alguns dos temas mais interessantes passarão a constar aqui.